Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Capitulo 2 {Her Bodyguard}

por sacha hart, em 04.10.14
 
 

 

Christa conduziu-o para o interior de uma mansão moderna. A cada passo, Sam recolhia pormenores e anotações mentais. Fazia parte da sua profissão estar sempre preparado para qualquer eventualidade e isso significava saber o que terreno pisava.
Entraram num escritório. Igualmente grande como o resto da casa, albergava mobília elegante e caríssima. O único elemento desajustado ali dentro era o próprio George Reed que os observava de longe, sentado numa poltrona prateada, bebericando algo de um copo translúcido.
Mrs.Patterson. Levitt! – Saudou o empresário que entretanto se levantara e se dirigira até aos dois seguranças – Estava à vossa espera.
- Boa noite, Mr.Reed – Forçou-se Sam a cumprimentar com um sorriso pouco afável, pois de momento com o seu humor era o único que podia oferecer.
Estou satisfeito por estar aqui, Levitt. Serviu-me bem em Atlanta, estou à espera de um desempenho melhor aqui em Los Angeles. Estou a confiar-lhe a minha filha mais velha, a minha jóia – George era um daqueles fala-baratos – Requisitei-o especialmente porque sei que é o melhor.
Engraçado, pensou Sam, o elogio do empresário também não lhe importava nada.
- O Levitt vai sem dúvida ter tudo sob controlo – Continuou Christa, apercebendo-se que do seu agente não ia ouvir nada – E tem a melhor equipa de segurança da Lawson californiana ao seu dispor, também.
- Eu sei, Mrs.Patterson, mas preciso que entendam realmente a seriedade desta contratação. A minha preciosa Dakota está a chegar ao auge da sua carreira e eu sei os perigos que enfrenta, desde predadores, paparazzi e outra escumalha que nem sei dizer. Já tem sofrido alguns atentados – George falava mais como um empresário endinheirado, do que um pai preocupado – Estou a contar consigo, Levitt, para não deixar que nada lhe acontece. A minha Dakota é… como posso dizer? É um pouco impulsiva e inesperada. Vai perceber quando a conhecer.
Sam tinha sérias dúvidas em como a rapariga fosse assim. E, mesmo que o fosse, ele era mais do que capacitado para lidar com isso.
Estou bem ciente do meu dever, George. – Respondeu-lhe, sabendo que tratar o homem pelo primeiro nome lhe ia dar alguma confiança – A segurança da sua filha será a minha primeira prioridade.
- Era isso que eu queria ouvir!
Christa, que até então se mantivera sorridente a um canto, decidiu intervir – Pois bem, então é a melhor hora para finalizarmos os nossos acordos. Trago aqui o contrato – Tirou de uma pasta as folhas necessárias e dispo-as na secretária de Reed.
Christa e George assinaram logo, porém Sam decidiu ler primeiro o contrato ao qual, quer quisesse ou não, teria de cumprir. À primeira vista pareceu-lhe tudo certo. Acordava em estar disponível 24 horas por dia, tendo direito a folgas em caso de urgência. Estaria coberto por um seguro de vida, o que lhe interessava seriamente, pois nunca se realmente sabia. Tinha ao seu dispor um fundo de Reed para quaisquer medidas dispendiosas. Jurava manter sigilo da vida dos Reed. O valor do salário também estava conforme devia. Só que havia algo no qual estava reticente – A duração deste contrato é de um ano – Comentou. Pensara que esta situação seria apenas por uns meses. - E é-me designado um quarto na mansão.
- Não estás de acordo? – Questionou a nova patroa.
A verdade é que não estava. Mas o que havia a fazer? – Não, está tudo de acordo – Pegou na caneta que trazia sempre consigo. Uma Bic camuflada, presente do seu irmão mais novo. Assinou os papéis e entregou-os. – A partir de agora já estou a cumprir funções. Mr.Reed, será possível discutirmos melhor os detalhes da situação?
- Eu esperava que só começasse amanhã para assentar primeiro... – Começou George por dizer – Mas que se lixe, agrada-me que esteja disponível com tanta prontidão! Falamos disso depois, vou apresentar-lhe ao pessoal e à Dakota. – Virou-se para a mulher que estava na sala – Christa, acompanha-nos?
- Lamento, Mr.Reed, mas o dever chama-me para concluir o resto da papelada. – Guardou todos os papéis assinados naquela noite novamente na sua pasta – Tem o meu contacto. Use-o sempre que precisar.
O senhor Reed, apesar de parecer aborrecido, compreendeu. Despediu-se da mulher como um autêntico cavalheiro, beijando-a na mão – gesto que Christa não apreciava de todo.
Já George Reed saía do escritório quando Christa cruzou o seu olhar com o agente, o agora guarda-costas de Dakota Reed. Não falou. Tudo o que tinha a dizer estava expresso naquele olhar.
“Estou a contar contigo, Levitt. Não faças asneira. “

Sam jurava que se voltasse a ouvir a voz de George Reed mais uma vez, sairia a correr daquela mansão. O homem dera-lhe a conhecer cada canto da casa e falava sem parar das suas conquistas no mercado, nas viagens onde adquirira certas peças de mobília, na fortuna da família e no fim do sucesso da filha.
Ela canta como um anjo. Gravou o primeiro álbum e está a vender bem – Dizia ele orgulhoso – Para além disso é linda. Chamam-lhe a Pérola de Hollywood. Não vai demorar muito até estar a assinar contractos para anúncios, patrocínios e filmes. Vou colocá-la no topo.
Ainda sem conhecer grande coisa da rapariga, Sam duvidava que Dakota Reed fosse realmente uma estrela assim. O pai estava exagerar, sem dúvida, pois Sam nunca sequer ouvira falar dela. Quando finalmente ia conhecer a tão aclamada filha, deu com George a desculpar-se. Ao que parecia Dakota escapulira-se para uma sessão de compras em Nova Iorque, só devia chegar a casa no dia seguinte.
Felizmente para Sam, aquilo significou o fim da conversa. George deixou-o para que se instalasse na mansão.
Por essa razão o guarda-costas estava agora a arrumar os seus pertences. Tinham-lhe designado um quarto nas traseiras da casa, com acesso fácil ao jardim. Era um quarto estratégico pois dali podia visualizar grande parte da propriedade, o que incluía o court de ténis e a piscina. Essa porém não era a única boa característica do quarto. Para além de espaçoso, estava equipado com uma televisão de alta definição e um computador com acesso às camaras de vigilância.
- Isto vai ser tão fácil que nem piada vai meter – Resmungou.
Agora que estava instalado e com acesso à informação que queria, só lhe faltava uma coisa: conhecer a sua protegida.

Pessoas normais aproveitam a noite para descansar. Sam fugia à regra. Passou a noite no computador. Recolheu a sua tão prezada intel sobre Dakota Reed. Ou Pearl. Era esse o seu nome artístico pelo qual o mundo a conhecia. Descobriu que ela era na verdade mais velha do que pensava, com quase vinte e cinco anos. Pesquisou sobre o seu sucesso, pelas suas viagens, pelos seus hábitos. Sobre Pearl havia muita coisa, agora sobre Dakota, a mulher por detrás da fama? O sucesso de Pearl começara há pouco mais de dois anos e agora expandia-se aos quatro cantos do mundo mas pouco se sabia de Dakota Reed.
Para Sam era-lhe indiferente, ela era apenas mais uma pérola de Hollywood. Só lhe competia assegurar a confiança da cantora e à primeira vista não parecia um caso difícil.
Pelo menos foi isso que pensou até ver uma fotografia de Dakota.
Ela era…diferente daquilo que ele esperara.
Estava na hora de a conhecer.

Dakota chegou à sua casa de Los Angeles perto das nove da manhã. Depois do longo voo desde Nova Iorque, tudo o que queria fazer era dormir, comer umas waffles e actualizar-se nas suas séries favoritas. Há quanto tempo não tirava um tempo assim só para si?
Há muito, na verdade. Não podia. Havia sempre alguma coisa para fazer, alguém com quem falar, um concerto para dar, um evento a presenciar.
Naquela manhã foi o pai quem lhe estragou os planos. Mas isso nem foi o pior. Quando George lhe disse que dali em diante ia ter um guarda-costas pessoal, estragou-lhe também o dia.A
- Papá, não preciso de nenhum guarda-costas colado a mim o tempo todo – Tentou fazer ver – A minha equipa de segurança chega. Queres é controlar-me! Caramba, papá, não preciso de nada disto.
- Faço isto pelo teu bem, minha pérola.
Dakota conteve o instinto imediato de revirar os olhos. 
- Papá, já sou crescidinha, sei tomar conta de mim mesma. Não quero nenhum imbecil a seguir-me 24 horas por dia!
- Se há coisa que posso prometer é que não terás nenhum imbecil atrás de ti – Dakota virou-se para o encarar, o homem que até ali não denunciara a sua presença na sala. – Sou Sam Levitt, o teu guarda-costas.

Começa assim o artrito entre o Sam e a Dakota. O que é que acharam?
Tenho de vos agradecer imenso pelo apoio, feedback, opiniões que deixaram no primeiro capitulo. Fiquei mesmo muito contente e mais motivada para escrever esta história. Obrigada, vocês são bestiais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sacha Hart
PerfilBlogTumblr


2 Online
of

3177 Visits




13 comentários

De Joanna a 04.10.2014 às 18:34

uhhhhhhhhhh finalmente conheceram-se é pena é que só tenha sido no final do capítulo porque eu agora estou curiosa por mais!
adorei mais uma vez e se voltas a dizer que não está nada de especial vou bater-te -.-
e ainda bem que me lembrei de vir ver se tinhas posto capítulo porque os blogs estão todos marados e o teu capítulo não me apareceu nas leituras -.-
beijinhoooos c:

De twilight_pr a 04.10.2014 às 22:44

Adorei o capítulo! Adorei mesmo e este final deixou-me ainda mais curiosa :D
Beijinhos*

De francis marie a 04.10.2014 às 22:54

Ahhhh estou mesmo a adorar a tua fic!
É pena que nenhum dos dois queria isto kkk

De electra kerry a 04.10.2014 às 23:30

Uai, adorei a entrada do Sam "- Se há coisa que posso prometer é que não terás nenhum imbecil atrás de ti – Dakota virou-se para o encarar, o homem que até ali não denunciara a sua presença na sala. – Sou Sam Levitt, o teu guarda-costas." venero! Estou sem dúvida ainda mais curiosa sobre a relação deles de agora em diante, espero pelo próximo :)
Beijinhoo*

De • Smartie a 05.10.2014 às 00:40

A entrada do Sam foi mesmo a matar, adorei *---*
Mal posso esperar pelos desenvolvimentos do próximo capítulo, mais mais! :D
Beijinhos*

De M a 05.10.2014 às 00:48

7 dias até ao próximo capítulo... vai ser um martírio esperar tanto tempo! Não podias ter me deixado mais ansiosa pelo seguinte! x

De sacha hart a 05.10.2014 às 18:25

7 dias passam a correr, verás!
O seguinte vai finalmente ser o arranque da história.
Obrigada por comentares (:

De liz collingwood a 05.10.2014 às 01:05

a parte final partiu tudo! deu mesmo vontade ler o proximo capitulo. acho que vou gostar meeeeesmo desta fanfic :)

De Silver Sky a 05.10.2014 às 11:59

gostei muito :)

De ivy hurst a 06.10.2014 às 18:29

Uhuhuhuhuhu, estou ansiosíssima por mais!
Ui que ela até chama o pai de papá, é mesmo à "menina rica", e ainda por cima do papá! xD Coitada, quando viu o seu novo guarda-costas que por sinal ela até o deve achar bonitinho e jeitoso mas não o deve admitir, deve ter ficado estática ahahaha xD
E que comece o amor-ódio destes dois!
Adorei! Esperando por sábado *-*

De twilight_pr a 06.10.2014 às 22:37

Deixaste-me mesmo! xD

Comentar post


Pág. 1/2