Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Capitulo 16 {Her Bodyguard}

por sacha hart, em 18.01.16

her bodyguard

 

- Vê se voltas, ou ainda te tornas americano.

Foi a despedida animada da família Levitt ao verem o filho mais velho pela janela do Skype. Era assim há mais de dois anos e cada vez se tornava menos suportável para todos.

As saudades minaram o coração do guarda-costas. Fechou o tampo do computador portátil. Deu por si sozinho no quarto. Nas últimas três semanas tinha-se dado nesta posição muitas vezes. Dakota estava muitíssimo ocupada a promover o filme, a gravar novas músicas e a dar concertos. Quase nunca estavam a sós.

Tudo isto só o fazia ansiar ainda mais pela tranquilidade que queria. Sam estava farto de Los Angeles, farto de todo o mediatismo e ritmo louco. Sobretudo, estava farto do secretismo do seu namoro com Dakota. Ela parecia cada vez mais alheia ao descontentamento dele, o que o magoava.

Talvez fosse o facto de estar prestes a atingir os 32 anos que o punha a matutar frequentemente na sua insatisfação. Algo em que nunca pensara – assentar – estava-lhe agora permanentemente no pensamento. Tinha a mulher certa, estabilidade económica e familiar. Não estava a caminhar para novo…

- O que estás tu para aqui a pensar? – Reclamou consigo mesmo. Estes devaneios não o iam levar a lado nenhum – Ela não está pronta. – Sabia-o sem sequer precisar de perguntar a Dakota.

Conseguiria ele esperar?

 

 

- Meu deus, estou exausta! – Exclamou Pearl ao atirar-se para o sofá do camarim. Tinham sido quatro horas seguidas no estúdio de fotografia. Mais uma de tantas que andava a fazer. – Estava a ver que isto nunca mais acabava.

- Oh, até parece que deve ser muito cansativo estar ali tanto tempo agarrada a um borracho daqueles – comentou Bea, a amiga e também assistente de Dakota. – A sério, acho que nunca vi alguém tão giro como o Khris. – Continuou, olhando para a cantora e para a outra rapariga na sala, Mary, procurando por uma aprovação. Timidamente, Mary concordou. - Um homem assim é que eu preciso. Alguém que me mantivesse entretida.

Os desvarios de Bea passavam ao lado a Dakota. Conhecia bem a amiga, sabia a sua tendência para perseguir qualquer moço bonito que lhe chamasse a atenção. E sabia, também, que cairia os braços do seu co-protagonista a.k.a namorado de tablóide, se ele quisesse.

E pensando em namorado, lembrou-se de espreitar o telemóvel. Nem uma mensagem de Sam. Tentou dissipar o desapontamento que a percorreu. Esperara que ele a tivesse acompanhado àquela sessão – em trabalho, claro – mas fora outro guarda-costas a ser enviado. A vontade de ver Sam, estar com ele e beijá-lo tornava-se insuportável.

- Mas tu estás a ouvir-me?

A voz de Bea fez a morena despertar da sua pequena crise – Hum, o quê?

- O que é que achas, de mim e do Khris? Eu sei que ele é o teu par e tudo, mas estás disposta a ceder aquele pedaço de mau caminho à tua amiga do coração, não estás?

- Podes tê-lo à vontade – Rindo-se, Dakota encarou a amiga, acrescentando depois baixinho: - Não é ele que me importa. 

Beatrice foi rapidíssima a chegar ao sofá e pressionar a cantora – Estás com aquela tua cara de sonhadora romântica! E já tenho reparado nisto há tempo. Conta-me.

- Conto-te o quê?

- Não te faças de despercebida comigo. Quero saber quem é ele! Quem é que roubou o coração à minha Koda?

Os dotes de actriz da Dakota não eram assim tão bons se nem conseguia disfarçar o quão apaixonada estava. Claro que Bea não era parva nenhuma, para além de que já a conhecia há muito tempo e conhecia-a bem.

Por um lado, a morena queria muito contar à amiga da sua relação com o guarda-costas. Queria que alguém, fora ela e o próprio Sam, soubessem daquele segredo, pois ela já não aguentava mais guardá-lo só para si. Por outro lado, aí residia o problema. Era um segredo que não poderia nunca chegar aos ouvidos dos media, caso contrário Sam podia perder o seu emprego e ela perderia a fachada de amor-perfeito-faz-de-conta com Khris, levando a sua carreira por água a baixo.

- É verdade. Existe alguém – Ela poderia desabafar às raparigas sem dizer de quem se tratava, certo? – Alguém fantástico, que me faz sentir de uma maneira que nunca imaginei. No início não nos suportávamos, mas não lhe consegui resistir. Nem ele a mim, aliás. Também tive de mexer uns cordelitos para o conquistar – Sorriu, lembrando-se das suas artimanhas.

- Estás tão caidinha – Comentou Bea divertida – Já não era sem tempo! Eu sabia que tu e o Levitt iam acabar nisto. - O choque atingiu Dakota. Como é que Bea podia saber? Apercebendo-se da cara chocada da amiga, Bea completou: - Mas está na cara que é o teu guarda-costas! Sempre notei na tensão entre vocês os dois e percebi logo que era sexual. Sempre que estás perto dele acendes-te como se fosses uma árvore de Natal.

Dakota levantou-se de imediato do sofá onde estivera deitada. Encarou a amiga – Bea, isto não pode sair daqui. A sério. Ninguém pode saber – Olhou também para Mary, cuja presença já se tinha esquecido – Prometam-me. Isto não sai daqui.

- Meu deus, tanto secretismo! – Gozou a outra, mas depressa se rendeu face ao olhar ameaçador de Dakota – Pronto, está bem. Eu também não ia contar a ninguém.

- Eu o mesmo.

Agora que tinha as promessas de Bea e a Mary, Dakota respirou fundo e relaxou. Já estava. O seu segredo já fora partilhado. Sentia, em parte, um certo alívio. Podia falar às claras com as suas amigas.

Bea teve que voltar a comentar – Estou a ver que é sério.

A cantora assentiu com a cabeça. Um sorriso apaixonado confirmou.

- Então está bem, tens o meu apoio. O que pensas fazer? Não é como se pudesses esconder uma relação para sempre. Eventualmente haverá um paparazzi que descobrirá.

Não existia um plano concreto. Era algo que Dakota nunca tinha discutido com Sam, pois até ali o único tópico falado fora o sobre como manter a relação secreta. Nunca “o que fazer quando já não for secreta”. Para Dakota, era bom que essa realidade ainda demorasse algum tempo, pelo menos até solidificar a sua fama em Hollywood.

- Ainda não sei. – Confessou – Vamos fazer o melhor que pudermos para continuarmos incógnitos. Podia ser o fim da carreira do Sam se se soubesse que ele se envolveu com uma cliente. Não sei porquê, mas o código dos guarda-costas é intransigente neste aspecto.

E, se havia algo que Sam sempre mostrara não estar disposto a fazer, era perder a sua carreira por algo assim.

Aliás, era a isso que tudo se resumia, não era? Todo o secretismo era fundamental para que ele mantivesse a sua credibilidade. Fundamental para ela para que cimentasse o seu lugar no mundo das celebridades.

Era assustador pensar que bastava um único boato para mandar por água abaixo as carreiras de ambos.

 

- Estou a dizer-te, esta é a tua oportunidade.

Ele, que até ali se mantivera em silêncio e escutara com atenção, pigarreou antes de falar. Um sorriso escarninho acompanhou as suas feições. – Sendo assim, parece-me que está na altura de enviar outra mensagem ao casalinho, não te parece? Já não era sem tempo. Os dias deles estão contados.

Em breve teria o caminho livre para chegar perto da sua Pérola e adorá-la, como sempre quis.

 

O plano de segurança estava delineado, estreitamente explicado e pronto a aplicar. Aquela era uma grande noite e Samuel não toleraria pontas soltas. Conduziria ele próprio a sua equipa de seguranças durante o grande evento na baixa de Los Angeles. Finalmente o dia da estreia do primeiro filme de Dakota.

Sam sabia que ela estava nervosa e receosa. Tentara confortá-la como podia, mas mal tivera tempo para estar com ela a sós. Por isso, parte da sua função competia em assegurar que a noite correria bem e sem percalços à namorada…mesmo que para isso tivesse de aturar Khris Johnson de volta dela.

 Estava precisamente à procura da morena quando ela embateu contra ele. Isso quase o fez sorrir com a coincidência, mas tal nunca chegou a acontecer. Mal viu a expressão da morena, em estado de choque, assumiu logo uma posição protectora e rígida.

- Alguém sabe – Balbuciou ela, quase em lágrimas.

- Sabe o quê? – Questionou o guarda-costas, não entendendo a namorada que mal conseguia articular duas palavras.

Dakota dirigiu-lhe um envelope. – Estava por baixo da porta do meu quarto. Não sei como, nem quem.

Uma dezena de fotografias estavam agora nas mãos do guarda-costas. Fotografias deles os dois. Beijos, sorrisos. Momentos íntimos que não deveriam ser partilhados com ninguém. Um segredo que ninguém deveria saber!

A fúria invadiu-o. Só foi aplacada pelo receio que o assaltou.

 - E agora? – Perguntou a morena – E agora, Sam? Se isto sai em público…

Era um cenário que nenhum dos dois queria imaginar. Vendo que Dakota transtornada, o guarda-costas abraçou-a e beijou o topo da sua cabeça. Por muito furioso que estivesse, não o ia demonstrar. Só queria acalmar Dakota.

- Não saiu. Pelo menos não ainda, ou já teríamos sabido – Ele próprio estava desorientado e sem saber o que dizer.

- Foi ele. Tenho a certeza. O mesmo que entrou aqui em casa, que me tem deixado as cartas. – Sam concordava com Dakota. Só podia ser esse mesmo lunático que a perseguia. E ele nunca o apanhara. Desleixara-se. Fizera mal o seu trabalho. Abalou a sua confiança lá bem no âmago.

Dakota trouxe-o de volta desses pensamentos negros ao beijá-lo. Ela estava ali. Era a sua bênção mas também o seu problema. Era sua cliente, estava-lhe proibida. Ele estragara tudo. A que custo? Perguntava-se.

- O que vamos fazer?

Eu não sei. Ao invés, disse: – Continuamos o resto da noite como planeado. Quem quer que tenha deixado isto aqui só está a mostrar o seu trunfo. Não vai agirPor agora.

- Só se guarda um trunfo quando se tem uma jogada em mente.

O que era um pensamento assustador. Tudo podia ir por água abaixo depois de meses de secretismo, de beijos às escondidas, de tolerância de ciúmes. Tudo.

O susto aumentou quando o telemóvel de Sam começou a tocar. Christa era o nome que se lia no painel. O coração do guarda-costas soltou uma batida ao ver o nome da chefe. Se ela soubesse do caso dele com Dakota, estaria tudo acabado.

- Quem é? – Perguntou Dakota.

- A minha chefe – Ambos estavam preocupados.

Sam afastou-se e, momentos antes de atender a chamada, respirou fundo. Nunca estivera tão apreensivo em toda a sua vida.

Breves minutos de chamada permitiram-lhe voltar a respirar fundo e tranquilizar-se. Christa não sabia de nada, o emprego de Sam estava safo. Por agora, relembrou-se. Sabia, no entanto, que o momento chegaria em que a sua falha seria descoberta. Ele quebrara as regras e era só uma questão de tempo até que as consequências do seu erro se abatessem sobre ele.

 

O caos instalara-se na mente de Dakota. A apenas duas horas da estreia do filme que mudaria a sua vida, as dúvidas e nervos apoderaram-se dela, criando uma insegurança tal que a fazia ponderar se não deveria ligar já para alguém e dizer que estava tudo cancelado.

E se alguém revelasse as fotografias entretanto? Seria pura humilhação para ela. Já para não falar que seria o seu fim. Ninguém falaria bem dela pelo bom filme, mas antes pelo escândalo.

A sua realidade era bem diferente da encenada por Whitney Houston e Kevin Costner. O escândalo seria o fim. Da sua carreira? Ou da sua relação com o homem que amava? Sem sequer se aperceber, já estava a chorar fechada no quarto, depois de mandar as cabeleireiras e maquilhadoras embora.

Acabou por sentir um par de braços em seu redor. O perfume denunciou a presença de Scott, um dos seus amigos mais próximos, mas também o seu principal assistente.

- Meu deus! O que se passa contigo, minha querida?

- Porquê que a vida é injusta, Scott? Porquê que não posso ter tudo? – Não lhe importava se soava egoísta. Ela apenas queria a carreira com a qual começara a sonhar e poder ter o seu homem a seu lado. Sem dramas, nem falsidades ou outras complicações.

- Conta-me querida, pois agora não estás a fazer sentido nenhum.

Um suspiro. Sentindo-se prestes a desabar, Dakota preferiu desabafar com Scott. Confiava nele. E, de qualquer das maneiras, já alguém sabia do seu segredo, não era? – Estou apaixonada pelo Sam. Mas as coisas entre nós já nem bem estão desde que toda esta farsa com o Khris começou. O secretismo está a dar cabo de tudo. Porquê que não posso fazer talento com as minhas capacidades, mas antes com este estúpido romance inventado? Quero viver a minha vida sem mentiras.

Lá chorou mas um bocadinho, falando – ou melhor dizendo, balbuciando – ao amigo sobre o que a afligia. Os medos, os sonhos e as ameaças. Um mundo em risco de ruir.

- Doce, é maravilhoso que estejas apaixonada de verdade. É algo raro nestes dias – Começou Scott por dizer, enquanto a confortava com palmadinhas nas costas – Acredito que tudo se resolverá com o tempo. Precisas de manter o Khris perto de ti. É uma farsa horrível, eu sei, mas vai beneficiar-te até poderes largá-lo – Conselho de alguém interessado na carreira dela, seria? Ao invés de um amigo? – O Levitt vai entender. Se te ama…e olha que sorte tens tu, realmente, porque ele é um borracho e as coisas que eu não faria com ele se – parou de comentar ao ver o olhar sério da amiga – O que quero dizer é: mantém o romance com os dois, o real e o falso. Como tem sido. Pelo menos até passar o furor do filme nas bilheteiras, até ganhares novos contractos. Se o Sam está preocupado com o trabalho, pois bem, arranjamos-lhe outro. O meio dele é de muito lucro aqui em L.A.

As palavras de Scott faziam algum sentido à cantora. Ela não tinha outra opção, pois não? Ganhar tempo era o melhor remédio. Isso e esperar que as fotografias não chegassem nem perto dos media.

 

Ando há meses a trabalhar neste capitulo e mesmo saiu não está nem perto do que eu queria. Lamento imenso pela demora. Esta história está a dar cabo de mim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sacha Hart
PerfilBlogTumblr


2 Online
of

3177 Visits




5 comentários

De twilight_pr a 18.01.2016 às 19:29

Está a dar cabo de mim, que ando em pulgas para saber quem é o outro, socorro ainda mais agora que ele sabe de tudo. Estou ansiosa para saber mais :d
Mal posso esperar para saber mais, continuo curiosa e vou andar por aqui sempre à espera de novidades ;)
Beijinhos grandes!

De ivy hurst a 19.01.2016 às 23:20

Eu não ando a ler absolutamente nada, estou atrasada em tudo e mais alguma coisa... Mas quando ontem estava na minha caminha e fui ver os novos posts do pessoal que sigo e vi isto, virei-me umas três vezes na cama e só não gritei feita fã histérica porque já era muito tarde.
Primeiramente, não tens de pedir desculpa. Eu própria ando há meeeeseees para escrever um capítulo na Don't Speak ou na Salute, e não sai NADA. O que sai, parece tudo uma merdinha.
Segundo, está brutaaaaaaaal e eu cada vez amo mais esta história, omg. Como diz a nossa Twi: omg pifei, omg morri xD
E depois....... Opá asjkdhasjkdhas não estou a ver quem possa ser o bacano... Já tive várias suspeitas mas até agora, nada de jeito. Tenho de me armar em Stiles Stilinski, ir buscar um quadro e começar a apontar todos os pormenores xD
Amei, só para variar ♥
Fico aqui à espera ansiosamente pelo próximo, venha ele para a semana, no próximo mês ou no ano que vem.
Beijocas*

De ivy hurst a 19.01.2016 às 23:20

(uau, fiz um comentário grande?)

De • Smartie a 21.02.2016 às 17:57

Estou cada vez mais curiosa para saber o que aí vem, aiii! Mais, mais *-*
Beijinhos

De As Tifus a 22.02.2016 às 14:14

Olá!
Li todos os capítulos num piscar de olhos e tenho de dizer que adorei! Que lindos *-*
Aguardo (im)paciente pelo próximo!

Beijinhos*

Comentar post