Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Capitulo 18 {Moving On}

por sacha hart, em 15.11.13

Antes de tocar à campainha, Kathryn respirou fundo na tentativa de se acalmar. Então fê-lo e durante os curtos segundos que teve, aproveitou para ajeitar o vestido e o cabelo.

Ao abrir a porta, Ben não conseguiu esconder a surpresa. Não estava seguro que ela viesse mesmo e muito menos tão bonita, com o cabelo a cair-lhe até ao ombros emoldurando o rosto belo.

- Entra. Vamos ser só nós os dois - Não porque ele quisera mas sim porque Liam saiu de casa, afirmando que estar a fazer de vela não o ia ajudar a conquistar Kat novamente - Espero que não te importes.

Ela não estava muito à vontade. Estar sozinha com ele deixava-a nervosa - ao estilo do nervosismo que sentira quando era adolescente.

- Foste tu que fizeste o jantar? - Perguntou.

Ele assentiu - Pelo menos tentei. Vais ter que avaliar o meu macarrão. Há quem diga que é comestível – brincou, levando-a até à cozinha.

O cenário não era muito pomposo romântico. Afinal de contas, o “estado” entre eles os dois estava longe de ser algo assim. Pelo menos da forma esclarecida por Kathryn. Esperançosamente, ele esperava que isso mudasse depois daquela noite. Por isso optara pela simplicidade ao colocar uma toalha vermelha na mesa, cujo único adorno era uma vela branca em cima.

Depois de servida, Kat não demorou muito a provar o macarrão. – Tens razão, até é comestível. Mas exageraste no sal. Isso faz mal à saúde – E aí estava o ponto fulcral, pensaram os dois.  – Conta-me o que se passa, Ben, por favor.

- Já te disse que estou bem.

- Sabes, quando erámos mais novos dizias-me isso o tempo todo e era mentira . – A voz dela quebrou durante alguns segundos – Se se passa algo, conta-me.

Ao insistir no assunto, Kathryn não podia deixar de pensar na sua mãe. Aquela que perdera aos dezanove anos, vítima de cancro também. Durante anos, pensara que perdera duas das pessoas mais importantes da sua vida para o maldito cancro. Ben acabara por não morrer, mas marcara-a como se assim fosse. Ter perdido a sua mãe logo depois dera cabo dela.

- Três anos depois de teres… morrido – começou ela por dizer, mordendo o lábio com força – A minha mãe foi diagnosticada com cancro da mama. Nem três meses teve.

O olhar de Kat era de tal modo destroçado e desolado que o fizeram arrepiar. Agora ele compreendia porquê que ela era tão insegura e desprovida de fé em relação a ele, à sua doença, desde que regressara a Madison.

Os braços dele rapidamente a rodearam. Ela não chorava mas tremia sem parar. - Lamento imenso que a tua mãe tenha passado por isto. - Murmurou, embalando-a, fazendo-a sentir-se segura - Lamento. – Aos poucos e poucos ela foi acalmando. De uma maneira inexplicável sentia-se amada e protegida nos braços de  Ben. A presença dele era tão importante para ela. No seu amago, sabia que ele era o seu centro.

- Não te sintas insegura em relação a mim, Kat. Não estou doente. Vou... - Ele queria dizer que ficaria ali mas não podia mentir. -Hum...

Kathryn cruzou o olhar com o dele e suspirou. - Lembras-te de quando éramos mais novos e fazíamos imensos planos? Nenhum se veio a concretizar - Ben sabia que ela estava a desabafar com ela. Conhecia o tique dela sempre que o fazia : começava a brincar os dedos dele - Tenho trinta e dois anos Ben. Todos os meus amigos com esta idade já estão casados, vivem em casa própria, têm filhos - a sua voz quebrou por momentos - Eu nem acabei a faculdade. E até hoje não me importava muito em estar sozinha... Até tu voltares e fazeres-me sonhar com tudo isto.

- Eu quero dar-te isso tudo - confessou ele. Era o futuro que mais queria, estar com ela - E prometo ser fiel. Magoar-te é algo impensável, Kat. Aquilo que aconteceu com a tua irmã foi...

- Shhh - Ela selou os lábios dele com o indicador - Eu acredito Ben. Oh se acredito... - dito isto levantou-se e começou a andar de um lado para o outro.

Foi durante esse silêncio que Ben decidiu que tinha de lhe dizer, não podia adiar mais. Levantou-se, o que a fez parar e encará-lo.

- Vou ter que voltar para a Austrália.

Separação. Ia ficar separada dele mais uma vez. Era exatamente por isso que odiava estar apaixonada outra vez. Significa sofrer.

- Vens comigo?

A pergunta dele apanhou-a desprevenida. Quis dizer que sim de imediato mas algo a impedia. Aquela terrível insegurança que não a largava.

- Diz-me pelo menos que vais pensar.

- Vou pensar - respondeu e aproximou-se dele, pousando as mãos no seu peito - Isto significa que estamos juntos outra vez?

- Por mim nunca nos tínhamos separado.

 Ela sorriu, observando os acizentados olhos dele. Espelhavam amor e isso era tudo o que ela necessitava.

Na manhã seguinte Kathryn encontrou-se com Deena  no Layney's. Sabia que a melhor amiga ia querer saber tudo sobre sobre o jantar da noite anterior, ainda mais curiosa pelo facto de ela ter passado a noite fora.

- Quero saber tudo, já sabes - começou logo a loira, mal acabaram de fazer os pedidos. - Como é que correu?

- Acho que correu bem. Ele não está doente e isso é por si já um grande alívio para mim.

- Mas?

- Como assim mas? - Perguntou a morena, arqueando a sobrancelha.

- Vejo pela tua cara que não foi só isso que aconteceu. Vá lá, Kat, conheço-te. Desembucha logo.

Kathryn já deveria estar acostumada à observação da melhor amiga. Mesmo assim surpreendia-se sempre com Deena, que a lia tão bem como a um livro aberto. Não podia esconder nada da amiga, nem queria.

- Ele vai voltar para a Austrália... E quer que vá com ele.

Desta vez permaneceram as duas em silêncio. Kat acabou por morder o lábio inferior, um hábito que ganhara sempre que estava nervosa.

- E tu, o que lhe respondeste? - Acabou Dee por perguntar.

- Disse que ia pensar. - Mas essa tarefa revelara-se difícil até ao momento. Eram tantas coisas a passarem-se ao mesmo tempo na sua vida que a sua mente andava a mil. - Não faço a menor ideia do que fazer, Dee. Madison é a minha casa, isto é a minha vida. Vocês são a minha família e as pessoas daqui os meus amigos. Largar tudo e ir para a Austrália ... Nao sei.

A morena recostou-se no sofá, cruzando os braços à frente do peito. Não podia deixar de pensar que Ben a deixava indefesa, com todas as suas defesas em baixo. E se algo como o incidente com Ellie se passasse na Austrália? Ela não teria ninguém a quem recorrer e ficaria de coração partido.

- Não deixes as tuas inseguranças apoderarem-se de ti. Estás sempre a fazê-lo - Deena, obviamente, sabia uma vez mais o que ia na mente da melhor amiga - És forte e tens um homem que te ama. Não precisas de mais nada para te aguentares num novo país.

- Não sei o que fazer. A sério que não.

Deena apenas mirou Kat. Detestava perceber que a mulher estava com tantas dúvidas numa escolha que era óbvia. Kathryn devia ir com Ben, ela amava-o. Sempre amara. E, por muito que lhe custasse a ideia de ter a melhor amiga no outro lado do mundo, sabia que esse era o melhor futuro para ela.

Se Kat ficasse, o que seria dela sem Ben? 


Espero que este capitulo tenha compensado o anterior!

E agora resta saber a resposta da Kat!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:54

Sacha Hart
PerfilBlogTumblr


2 Online
of

3177 Visits




3 comentários

De • Smartie a 15.11.2013 às 18:06

Aww, espero que a Kat decida ir com o Ben :3 Eles merecem ficar juntos e felizes *-*
Mais! :)
Beijinhos*

De Silver Sky a 15.11.2013 às 18:44

quero saber qual é a resposta :) curiosa :)

De Ynis a 15.11.2013 às 18:52

G.G unf.. eu a pensa que ia acontecer alguma coisa fixe e afinal é isto.. pse..
ela que diga que não e que alegre o meu dia, com a desgraça de alguém G.G

Comentar post